Avançar para o conteúdo

10 Animais Extintos que Você Deve Saber

Animales extintos que han convivido con el ser humano.

Com os seus mais de 4,5 mil milhões de anos, o planeta Terra tem assistido ao aparecimento e desaparecimento de inúmeras espécies animais e vegetais. Neste artigo vamos mostrar-lhe uma selecção de alguns animais extintos que coexistiram com os humanos (mesmo até relativamente recentemente).

10 Animais extintos que coexistiram com os humanos

1- Quagga

El Quagga son animales extintos similares a la cebra.

O quagga (Equus quagga quagga) é uma subespécie da zebra das planícies que foi endémica da África do Sul até ser caçada até à extinção no final do século XIX. Durante muito tempo pensou-se que era uma espécie distinta, mas os primeiros estudos genéticos apoiaram-na como uma subespécie da zebra das planícies. Um estudo mais recente sugere que se trata do clone ou ecótipo mais meridional da espécie.

Pensa-se que o quagga tinha cerca de 257 cm de comprimento e 125-135 cm de altura no ombro. Distinguiu-se de outras zebras pelo seu padrão limitado de listras principalmente castanhas e brancas, principalmente na parte da frente do corpo. A traseira era castanha e sem listras, e tinha uma aparência mais parecida com a de um cavalo.

A distribuição das listras varia consideravelmente entre indivíduos. Pouco se sabe sobre o comportamento quagga, mas é possível que se tenham reunido em manadas de 30-50 indivíduos.

Dizia-se que os quaggas eram selvagens e animados, mas também eram considerados mais dóceis do que a zebra de Burchell. Foram anteriormente encontrados em grande número na província de Karoo do Cabo e na parte sul do Estado Livre de Orange na África do Sul.

Após a colonização europeia na África do Sul, o pântano foi fortemente caçado, pois competia com os animais domésticos por forragem. Alguns foram levados para jardins zoológicos na Europa, mas os programas de criação não tiveram sucesso. A última população selvagem viveu no Estado Livre de Orange; o pântano foi extinto na natureza em 1878. O último espécime em cativeiro morreu em Amesterdão a 12 de Agosto de 1883. Apenas um quagga vivo foi alguma vez fotografado, e apenas 23 peles existem actualmente. Em 1984, o quagga foi o primeiro animal extinto a ter o seu ADN analisado.

O Projecto Quagga tentativas de recriar o fenótipo do padrão do pêlo através da reprodução selectiva da subespécie geneticamente mais próxima, que é a zebra de Burchell.

20 Animais em Perigo de Extinção que deve conhecer

2- Filoacina ou Tigre da Tasmânia

Tilacino o Tigre de Tasmania.

A tilacina (Thylacinus cynocephalus) é um marsupial carnívoro extinto que era nativo da Austrália continental e das ilhas da Tasmânia e Nova Guiné. O último animal vivo conhecido foi capturado em 1930 na Tasmânia. É vulgarmente conhecido como o tigre da Tasmânia (pelas suas riscas na parte inferior das costas) ou lobo da Tasmânia (pelas suas características de canídeo). Vários nomes aborígenes da Tasmânia foram registados, incluindo coorinna, kanunnah, cab-berr-one-nen-er, loarinna, laoonana, can-nen-ner e lagunta, enquanto a kaparunina é utilizada em Palawa kani.

A tilacina era relativamente tímida e nocturna, com a aparência geral de um canídeo médio-grande, excepto pela sua cauda rígida e bolsa abdominal semelhante a um canguru. Devido à evolução convergente, teve anatomia e adaptações semelhantes às do tigre (Panthera tigris) e lobo (Canis lupus) do hemisfério norte, tais como riscas transversais escuras irradiando do topo das costas, e uma forma de crânio extremamente semelhante à dos canídeos, embora não estejam relacionadas.

Os seus parentes vivos mais próximos são os outros membros da Dasyuromorphia, tais como o diabo da Tasmânia e as pedras. A tilacina era um dos dois únicos marsupiais conhecidos por terem uma bolsa em ambos os sexos: a outra espécie (ainda existente) é o opossum da água da América Central e do Sul. A bolsa da tilacina masculina serviu de bainha protectora, cobrindo os órgãos reprodutores externos.

A thylacine foi extinta localmente tanto na Nova Guiné como na Austrália continental antes da colonização britânica do continente, mas o seu último reduto era na ilha da Tasmânia, juntamente com outras espécies endémicas, como o diabo-da-tasmânia.

A caça intensiva, encorajada por generosidades, é frequentemente a causa da sua extinção, mas outros factores que contribuem para isso podem incluir doenças, a introdução e competição com dingoes, e a invasão humana do seu habitat.

3- Sapo Dourado

Sapo Dorado.

O sapo dourado (Incilius periglenes) é uma espécie extinta de sapo verdadeiro que em tempos foi abundante numa pequena região de alta altitude de cerca de 4 quilómetros quadrados numa área a norte da cidade de Monteverde, Costa Rica. Este sapo foi descrito pela primeira vez em 1966 pelo herpetologista Jay Savage. O último avistamento de um único sapo dourado masculino foi a 15 de Maio de 1989, e desde então foi classificado como extinto pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

O sapo dourado é uma das cerca de 500 espécies da família Bufonidae, os“verdadeiros sapos“. Os machos eram alaranjados e por vezes ligeiramente manchados na barriga, enquanto as fêmeas apresentavam uma maior variedade de cores, incluindo preto, amarelo, vermelho, verde e branco; ambos os sexos tinham a pele lisa. Enquanto os machos tinham uma cor laranja brilhante que atraía as fêmeas para o acasalamento, as fêmeas eram cobertas por uma cor escura, semelhante a carvão, delineada com linhas amarelas.

O dimorfismo sexual desempenhou um papel fundamental na identificação das fêmeas, que geralmente eram maiores do que os machos. O comprimento do corpo variou entre 39-48 mm nos machos e 42-56 mm nas fêmeas. Os machos tinham membros proporcionalmente mais longos e narizes mais afiados do que as fêmeas. As fêmeas também tinham cristas cranianas aumentadas acima do nível da órbita (órbita ocular), enquanto que nos machos as cristas eram muito mais baixas.

Os indivíduos passaram a maior parte da sua vida em tocas húmidas, particularmente durante a estação seca. A duração média de vida do sapo dourado é desconhecida, mas outras espécies anfíbias da família Bufonidae têm uma duração média de vida de 10-12 anos.

4- Dodô

El dodo es una de las aves extintas más conocidas.

O dodô (Raphus cucullatus) é uma ave extinta, sem voo, endémica da ilha da Maurícia, localizada a leste de Madagáscar, no Oceano Índico. O parente genético mais próximo do dodô era o solitário do extinto Rodrigues. Ambas formaram a subfamília Raphinae, um clade de pássaros sem vôo extintos que faziam parte da família que inclui pombos e rolas-tartarugas. O parente vivo mais próximo do dodô é o pombo Nicobar.

Antigamente pensava-se que existia um dodô branco na ilha vizinha da Reunião, mas agora acredita-se que esta suposição tenha sido uma mera confusão baseada no também extinto ibis da Reunião e em pinturas de dodôs brancos.

Os restos subfósseis mostram que o dodô tinha cerca de um metro de altura e podia pesar entre 10,6 e 17,5 kg na natureza. O aparecimento do dodô na vida só é conhecido a partir de desenhos, pinturas e relatos escritos do século XVII. Como estes retratos variam consideravelmente, e apenas algumas das ilustrações são conhecidas por terem sido extraídas de espécimes vivos, a aparência exacta do dodô na vida permanece por resolver, e pouco se sabe sobre o seu comportamento.

Foi retratado com plumagem cinzento-acastanhada, pernas amarelas, um tufo de penas de cauda, cabeça cinzenta nua e um bico preto, amarelo e verde.

Utilizou pedras de moela para ajudar a digerir a sua comida, que se pensa ter incluído fruta, e pensa-se que o seu principal habitat foram as florestas das zonas costeiras mais secas da Maurícia. De acordo com um relato, a sua ninhada consistia de um único ovo. Assume-se que o dodô deixou de voar devido à disponibilidade de fontes alimentares abundantes e à relativa ausência de predadores nas Maurícias.

Embora historicamente o dodô tenha sido descrito como gordo e desajeitado, acredita-se agora que estava bem adaptado ao seu ecossistema.

A primeira menção registada do dodô foi feita por marinheiros holandeses em 1598. Nos anos que se seguiram, a ave foi caçada por marinheiros e espécies invasoras, enquanto o seu habitat foi destruído. O último avistamento amplamente aceite de um dodô foi em 1662. A sua extinção não foi imediatamente notada e alguns consideraram-na um mito.

No século XIX, foi investigado um pequeno número de restos de quatro espécimes que tinham sido trazidos para a Europa no início do século XVII. Entre eles estava uma cabeça dessecada, o único tecido mole do dodô que sobrevive hoje em dia. Desde então, uma grande quantidade de material subfóssil tem sido recolhida nas Maurícias, particularmente no pântano de Mare aux Songes.

A extinção do dodô em menos de um século desde a sua descoberta chamou a atenção para o problema até agora não reconhecido do envolvimento humano no desaparecimento de espécies inteiras. O Dodo alcançou um reconhecimento generalizado pelo seu papel na história das Aventuras de Alice no País das Maravilhas, e desde então tornou-se um elemento da cultura popular, frequentemente como um símbolo de extinção e obsolescência.

5- Moa

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es moa-animales-extintos-841x1024.gif

O moa gigante (Dinornis) é um género extinto de aves pertencentes à família dos moa. Tal como outros moa, pertenceu à ordem Dinornithiformes. Era endémica para a Nova Zelândia. Duas espécies de Dinornis são consideradas válidas, a moa gigante da Ilha do Norte (Dinornis novaezealandiae) e a moa gigante da Ilha do Sul (Dinornis robustus).

Os dinornis podem ter sido a ave mais alta de sempre, com fêmeas da maior espécie a atingir 3,6 m de altura, e uma das mais maciças, pesando 230-240 kg (510-530 lb) ou 278 kg (613 lb) de acordo com várias estimativas.

Os restos de penas são castanhos-avermelhados e semelhantes a pêlos, e aparentemente cobriram a maior parte do corpo, excepto as pernas inferiores e a maior parte da cabeça (mais uma pequena porção do pescoço abaixo da cabeça). Embora não tenham sido encontradas penas de moa de pintainho, é provável que tenham sido manchadas ou riscadas para as camuflar das águias de Haast.

Os pés eram grandes e poderosos, e podiam provavelmente dar um pontapé poderoso em caso de ameaça. As aves tinham pescoços longos e fortes e bicos largos e afiados que lhes teriam permitido comer vegetação, desde gramíneas subalpinas a ramos de árvores. Em relação aos seus corpos, a cabeça era pequena, com um bico curto, plano, algo curvo, pontiagudo.

O moa gigante da Ilha Norte era normalmente maior do que o moa gigante da Ilha Sul.

6- Haast’s eagle

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es aguila-haast-animales-extintos-1024x820.gif

A águia Haast (Hieraaetus moorei) é uma espécie de águia extinta que viveu na Ilha do Sul da Nova Zelândia, comummente aceite como o pouakai da lenda Maori. Era a maior águia conhecida, pesando cerca de 15 quilos (33 lb), em comparação com os 9 kg da águia harpia.

O seu enorme tamanho é explicado como uma resposta evolutiva ao tamanho da sua presa, o moa sem vôo, o maior dos quais poderia pesar 230 kg (510 lb).

Ficou extinto por volta de 1400, após a chegada dos Maoris.

7- Smilodon ou Sabretooths

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es smilodon-animales-extintos-1024x634.gif

Smilodon é um género da extinta subfamília dos felídeos de machairodont. É um dos mais famosos mamíferos pré-históricos e o gato com dentes de sabre mais conhecido. Embora vulgarmente conhecido como o tigre com dentes de sabre, não estava intimamente relacionado com o tigre ou outros felídeos modernos.

Smilodon viveu nas Américas durante a época do Pleistoceno (2,5 mya – 10.000 anos atrás). O género foi nomeado em 1842 a partir de fósseis do Brasil; o nome genérico significa “bisturi” ou “faca de dois gumes” combinado com “dente”. Três espécies são actualmente reconhecidas: S. gracilis, S. fatalis e S. populator.

Em geral, o Smilodon era hoje mais robusto do que qualquer outro felino, com membros anteriores particularmente bem desenvolvidos e dentes caninos superiores excepcionalmente longos.

Na América do Norte, Smilodon caçou grandes herbívoros, tais como bisontes e camelos, e continuou a ter sucesso mesmo quando encontrou novas espécies de presas na América do Sul. Pensa-se que Smilodon matou a sua presa ao agarrá-los com os seus membros anteriores e mordê-los, mas não é claro como é que a mordida foi produzida.

Os cientistas debatem se Smilodon tinha um estilo de vida social ou solitário; a análise do comportamento dos predadores modernos, bem como dos restos fósseis de Smilodon, poderia ser interpretada como apoiando qualquer um dos pontos de vista. Smilodon provavelmente vivia em habitats fechados, tais como florestas e matas, o que teria dado cobertura a presas de emboscada.

Smilodon foi extinto ao mesmo tempo que a maior parte da megafauna da América do Norte e do Sul, há cerca de 10.000 anos atrás. Foi proposto que a sua dependência de grandes animais foi a causa da sua extinção, juntamente com as alterações climáticas e a competição com outras espécies, mas a causa exacta é desconhecida.

8- Mamute Lanoso

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es mamuth-animales-extintos-1024x798.gif

O mamute lanoso (Mammuthus primigenius) é uma espécie extinta de mamute que viveu durante o Pleistoceno até à sua extinção na época do Holocénico. Foi um dos últimos de uma linha de espécies de mamute, que começou com os subplanifrons de Mammuthus no Plioceno primitivo. O mamute lanoso começou a separar-se do mamute estepe há cerca de 800.000 anos atrás na Ásia Oriental. O seu parente mais próximo é o elefante asiático.

Estudos de ADN mostram que o mamute colombiano era um híbrido entre mamutes lanosos e outra linhagem descendente de mamutes estepárias. O aspecto e comportamento desta espécie estão entre os melhores estudados de qualquer animal pré-histórico graças à descoberta de carcaças congeladas na Sibéria e América do Norte, bem como esqueletos, dentes, conteúdo estomacal, estrume e representações da vida em pinturas rupestres pré-históricas.

Os restos de mamute já eram conhecidos há muito tempo na Ásia antes de os europeus os conhecerem no século XVII. A origem destes restos foi longamente debatida, muitas vezes explicada como sendo os restos de criaturas lendárias. Georges Cuvier identificou o mamute como uma espécie de elefante extinta em 1796.

O mamute lanoso tinha aproximadamente o mesmo tamanho que os elefantes africanos modernos. Os machos cresceram entre 2,7 e 3,4 m e pesaram até 6 toneladas métricas (6,6 toneladas curtas). As fêmeas tinham 2,6-2,9 m de altura no ombro e pesavam até 4 toneladas métricas (4,4 toneladas curtas). Um bezerro recém-nascido pesava cerca de 90 kg (200 lb).

O mamute lanoso estava bem adaptado ao ambiente frio da última era glacial. Estava coberto de pêlo, com uma camada exterior de pêlos longos e um sub-pêlo mais curto.

A cor do casaco variava entre o escuro e o claro. As orelhas e a cauda eram curtas para minimizar a geada e a perda de calor. Tinha presas longas e curvas e quatro molares, que foram substituídas seis vezes durante a vida de um indivíduo.

O seu comportamento era semelhante ao dos elefantes modernos, e utilizava as presas e a tromba para manipular objectos, lutar e forragear para obter alimentos. A dieta do mamute lanoso consistia principalmente em gramíneas e canas.

Os indivíduos podem provavelmente atingir os 60 anos de idade. O seu habitat foi a estepe mamute, que se estendeu através da Eurásia do Norte e da América do Norte.

O mamute lanoso coexistiu com os primeiros humanos, que usaram os seus ossos e presas para fazer arte, ferramentas e habitações, e caçaram as espécies para se alimentarem.

A população de mamutes lanosos diminuiu no final do Pleistoceno, desaparecendo da maior parte da sua área continental, embora populações isoladas tenham sobrevivido na Ilha de St. Paul até há 5.600 anos, na Ilha de Wrangel até há 4.000 anos, e possivelmente (com base no antigo ADN electrónico) no Yukon até há 5.700 anos e na Península de Taymyr até há 3.900 anos. Após a sua extinção, os humanos continuaram a utilizar o seu marfim como matéria-prima, uma tradição que continua até hoje.

Com um projecto de genoma mamute concluído em 2015, foi proposto que a espécie poderia ser revitalizada através de vários meios, mas nenhum dos métodos propostos é ainda viável.

9- Rinoceronte lanoso

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es rinoceronte-lanudo-animales-extintos-1024x723.gif

O rinoceronte lanoso (Coelodonta antiquitatis) é uma espécie extinta de rinoceronte que era comum em toda a Europa e Ásia durante a época do Pleistoceno e sobreviveu até ao fim da última era glacial. O rinoceronte lanoso era membro da megafauna do Pleistoceno.

O rinoceronte lanoso estava coberto de cabelo comprido e grosso que lhe permitia sobreviver na estepe extremamente fria e dura. Tinha uma enorme corcunda que chegava do ombro e se alimentava principalmente de plantas herbáceas que cresciam na estepe.

Foram encontradas carcaças mumificadas conservadas no permafrost e muitos restos esqueléticos de rinocerontes lanosos. Imagens de rinocerontes lanosos são encontradas entre pinturas rupestres na Europa e na Ásia.

Os restos de rinocerontes lanosos já eram conhecidos muito antes de a espécie ter sido descrita, e foram a base de algumas criaturas míticas. Os povos nativos da Sibéria acreditavam que os seus chifres eram as garras de pássaros gigantes.

Em 1335 foi encontrado um crânio de rinoceronte em Klagenfurt, Áustria, que se acredita ser o de um dragão. Em 1590 foi utilizada como base para a cabeça de uma estátua de papagaio. Gotthilf Heinrich von Schubert acreditava que os chifres eram as garras das aves gigantes, e classificou o animal como Gryphus antiquitatis, significando“grifo da antiguidade“.

10- Pombo-passageiro

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es paloma-pasajera-animales-extintos-1024x971.gif

O pombo de passageiros (Ectopistes migratorius) é uma espécie extinta de pombo endémico da América do Norte. O seu nome comum deriva da palavra francesa passager, que significa “passing through”, devido aos hábitos migratórios da espécie.

O pombo migrou em grandes bandos, procurando constantemente alimento, abrigo e locais de reprodução, e foi em tempos a ave mais abundante da América do Norte, com cerca de 3 biliões, e possivelmente até 5 biliões.

O pombo de passageiros de voo rápido poderia atingir uma velocidade de 100 km/h. Alimentava-se principalmente de mastro, mas também de fruta e invertebrados. Praticavam empoleiramento e criação comunitária, e a sua gregaridade extrema pode estar relacionada com a procura de alimentos e saciedade dos predadores.

Foram caçados por índios americanos, mas a caça intensificou-se após a chegada dos europeus, especialmente no século XIX. A carne de pombo foi comercializada como alimento barato, levando à caça em massa durante muitas décadas.

Outros factores contribuíram para o declínio e subsequente extinção da espécie, tais como o declínio das grandes populações reprodutoras necessárias para a sua conservação e desflorestação generalizada, que destruíram o seu habitat. Um declínio lento entre cerca de 1800 e 1870 foi seguido por um declínio rápido entre 1870 e 1890. Acredita-se que a última ave selvagem confirmada tenha sido abatida em 1901.

As últimas aves em cativeiro foram divididas em três grupos no final do século XX, algumas das quais foram fotografadas vivas. Martha, que se crê ser o último pombo de passageiros, morreu a 1 de Setembro de 1914 no Zoológico de Cincinnati. A erradicação da espécie é um exemplo notável de extinção antropogénica.

nv-author-image

Alejandra Roig

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *